notícias

Apple vs. Samsung: Justiça US condena ambas

applesamsungruling

Eu esperava que houvesse uma revisão no processo de patentes. Mas só houve batalha judicial. E parece que não vai parar tão cedo.

A Apple acusou a Samsung da quebra de 5 patentes: data syncingslide-to-unlockuniversal searchbackground syncing e autocomplete.

A história é longa e chata. Começa em setembro de 2013, a Samsung disse que a Apple também infringia as patentes da Samsung. A Samsung alegou que o valor pedido pela Apple, USD 2.2 milhões, era um absurdo, aceitava pagar USD 38 milhões, mas queria USD 6.2 milhões pelas suas patentes. Algumas das patentes da Samsung foram invalidadas. A Samsung já tinha sido condenada pela quebra do autocomplete. A Samsung tentou envolver o Google já que 4 das patentes citadas pela Apple estão no Android. O Google aceitou ajudar a Samsung a pagar a multa por duas delas. E por aí vai.

No frigir dos ovos, a Samsung foi condenada a pagar USD 119.6 milhões. Infringiu 3 das 5 patentes. As duas que ficaram de fora, foram justo as duas que o Google reconheceu parte da responsabilidade. Esperta a Apple em ir em cima da Samsung e não em cima do Google.

A Apple foi condenada por quebrar a “Apparatus for recording and reproducing digital image and speech” da Samsung e a pagar USD 158.4 mil.

Desproporcional. Não se compara 158 mil com 120 milhões. Mas chapiscou na Apple.

Os advogados pediram explicações do por que a multa de USD 119.6 milhões não inclui os danos do Galaxy SII. A Juíza do caso, Lucy Koh, aliás a mesma do caso inicial de 2012, pediu esclarecimentos ao juri que voltará a ser reunir nessa segunda. Provável que a multa suba mais ainda.

A Apple declarou:

We are grateful to the jury and the court for their service. Today’s ruling reinforces what courts around the world have already found: That Samsung willfully stole our ideas and copied our products. We are fighting to defend the hard work that goes into beloved products like the iPhone, which our employees devote their lives to designing and delivering for our customers. (traduzir)

via re/code

Gustavo Faria

de um tempo em que a UFRJ formava não cientistas da computação, mas bacharéis em informática e acompanhe as Dicas do Coca.
Fechar