opinião

Em busca da bateria perfeita

Bateria sempre foi o calo dos Smartphones. Claro, são computadores. Natural consumir bateria.

Aliás, o iPhone é muito mais que um computador. GPS. Acelerômetro. Usado na mão, suporta vibrações. E por aí vai. Criou-se toda uma nova frente de possibilidades, de forma facilitada, como por exemplo A Realidade Aumentada.

Agora tudo tem limites né? Chegar na metade do dia com 40% da bateria não dá… E não foi uso excessivo. Ao menos sob minha ótica.

iOS 5.1? Isso que resolvi descobrir.

Restaurei meu iPhone, e iniciei como um novo dispositivo. Eliminado a possibilidade de ser algo no firmware ou nos meus “dados”.

O primeiro dia foi bem frustrante. Diria que manteve o mesmo padrão. Por isso estou monitorando a bateria um dia inteiro.

Desconfio que o vilão seja o serviço de localização. O GPS. Será o segundo teste.

O brilho um pouco acima dos 50% e com alguns dos serviços de localização do sistema desativados.

Durante a terça-feira, 27/03, conduzi os testes. Minha bateria durou 7:41 minutos. Se saísse 7h da manhã para uma jornada de 8h de trabalho, voltando pra casa 18h. Ficaria 3 horas sem telefone.

Sem os serviços de localização.

Voltando ao meu conjunto de dados antes de restaurar o iPhone como um novo dispositivo, tive uma bateria de 14h. Nesse teste fiz amostras a cada 1h. Isso poupou bateria. Claro, mas além disso o iPhone ficou praticamente em Stand by. Só as notificações estavam ligadas. Sem ligações, redes sociais, emails, nada.

Os cocas me acompanharam nos testes e o reproduziram em seus dispositivos. Entre eles: Cássio, Caio, Eduardo, Leandro, etc. o pior caso foi 3h. E o melhor caso 20h(inveja). A média se acumula em torno de 11h.

Sem o chip de celular a bateria dura mais de 24h. Praticamente 32h.

Poderia ser uma falha no iOS 5.1. Sabe-se que o iPhone 4S tem duas antenas. Um sinal fraco levaria o iPhone a usar a outra antena. E como o sinal também estaria fraco entraria em loop. Só que esse padrão também acontece no iPhone 4, que só possui 1 antena.

 

Nos dados que os cocas me enviaram, eu notei uma anomalia. A maior durabilidade de bateria foi de quem estava com o iPhone em inglês. Não existem motivos, a princípio, para isso. Resolvi testar.

Tenho dito um ganho consistente de bateria em 3 dias seguidos. Aumentos de até 50%. Claro que existem variações no uso. Por isso convoquei os cocas novamente para um teste. Trocar o idioma do dispositivo para Inglês. Quem já estivesse usando o Inglês que passasse a usar o português.

Dos 61(e contando) participantes do teste. Apenas 4 não comprovaram a tese. Três deles disseram que ficou a mesma coisa. E outro que usava em Inglês disse ter ficado melhor em Português.

A única coisa que posso dizer no momento é: Faça o teste por você mesmo.

A referência é o iPhone 4S rodando iOS 5.1.

Ainda quero os 70% que adicionaram na bateria do novo iPad no iPhone. E por hora estou usando com o iPhone em Inglês.

Algumas perguntas ainda sem resposta:

  • Esse mesmo comportamento se observa no WiFi?
  • no iPad?
  • no OS X também?

Ataulização

Outros iPhones com outras versões de iOS também apresentam ganhos na duração da bateria quando o idioma é o Inglês.

Gustavo Faria

de um tempo em que a UFRJ formava não cientistas da computação, mas bacharéis em informática e acompanhe as Dicas do Coca.
Close